CRISTO JESUS: NOSSO SACERDOTE, NOSSA CABEÇA, NOSSO DEUS (Santo Agostinho)

Deus não poderia conceder dom maior aos homens do que dar-lhes como Cabeça a sua Palavra, pela qual criou todas as coisas, e a ela uni-los como membros, para que o Filho de Deus fosse também filho do homem, um só Deus com o pai, um só homem com os homens. Por conseguinte, quando dirigimos a Deus nossas súplicas, não separemos d’Ele o Filho; e, quando o Corpo do Filho orar, não separe de si sua Cabeça. Deste modo, o único Salvador de Seu Corpo, nosso Senhor Jesus Cristo, é o mesmo que ora por nós, ora em nós e recebe a nossa oração.
 
Ele ora por nós como nosso sacerdote; ora em nós como nossa cabeça e recebe a nossa oração como nosso Deus.
 
Reconheçamos n’Ele a nossa voz, e em nós a sua voz. E quando se disser sobre o Senhor Jesus, sobretudo nos profetas, algo referente àquela humilhação aparentemente indigna de Deus, não hesitemos em Lhe atribuir, já que Ele não hesitou em fazer-se um de nós. É a Ele que toda a criação serve, porque todo o universo é obra de Suas mãos.
 
Por isso, contemplamos sua divindade e majestade, quando ouvimos: No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus; e a Palavra era Deus. No princípio estava ela com Deus. Tudo foi feito por Ela e sem Ela nada se fez (Jo 1,1-3). Mas se nesta passagem contemplamos a divindade do Filho de Deus que supera as mais excelsas criaturas, ouvimos também em outras passagens da Escritura o mesmo Filho de Deus que geme, ora e louva.
 
Hesitamos então em atribuir-Lhe tais palavras, porque nosso pensamento reluta em passar da contemplação de Sua divindade à Sua humilhação, como se fosse uma injúria reconhecer como homem Aquele a quem orávamos como a Deus; por isso, o nosso pensamento fica muitas vezes perplexo, e esforça-se por alterar o sentido das palavras. Porém, não encontramos na Escritura recurso algum para aplicar tais palavras senão ao Filho de Deus, sem jamais separá-las d’Ele.
 
Despertemos, pois, e estejamos vigilantes na fé. Consideremos Aquele que assumiu a condição de servo, a quem há pouco contemplávamos na condição de Deus; tornando-se semelhante aos homens e sendo visto como homem, humilhou-se a Si mesmo, fazendo-Se obediente até à morte (cf. Fl 2,7-8). E quis tornar Suas as palavras do salmo, ao dizer, pregado na cruz: Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? (Sl 21,1).
 
Ele ora na sua condição de servo, e recebe a nossa oração na sua condição de Deus; ali é Criatura, aqui o Criador; sem sofrer mudança, assumiu a condição mutável da criatura, fazendo de nós, juntamente com Ele, um só Homem, Cabeça e Corpo. Nossa oração, pois, se dirige a Ele, por Ele e n’Ele; oramos juntamente com Ele e Ele ora juntamente conosco.
 
(Dos Comentários sobre os Salmos, de Santo Agostinho, bispo).

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: