Papa Clemente VI (1342-1352 DC.)

images.jpg

(PIERRE ROGER)

Nascido em 1291 no castelo de Maumont, departamento de Corrèze, França, eleito papa, em 7 de maio de 1342, em Avinhão, onde morreu em 6 de dezembro de 1352. Com dez anos de idade entrou no mosteiro beneditino de La Chaise-Dieu (Haute – Loire), onde ele fez sua profissão religiosa. Depois de dedicar algum tempo para estudar em Paris, ele se formou como médico e se tornou professor naquela cidade. Após a sua introdução ao Papa João XXII pelo cardeal Pierre Grouin de Mortemart, ele rapidamente subiu de uma dignidade eclesiástica para outra. Primeiramente prior de Saint-Baudile em Nîmes, então abade de Fécamp na Normandia, tornou-se bispo de Arras e chanceler da França em 1328, foi promovido ao arcebispado de Sens em 1329 e ao de Rouen no ano seguinte. Na última cidade, um concílio provincial, que promulgou vários decretos disciplinares, foi realizado sob sua presidência em 1335. Ele foi feito cardeal (1338) por Bento XII, a quem ele sucedeu como pontífice. Um dos traços característicos de sua política como chefe da Igreja Universal era sua devoção excessiva aos interesses da França e de seus parentes. Suas simpatias francesas impediram seus esforços de restaurar e manter a paz entre a Inglaterra e a França, embora sua mediação tenha levado à conclusão de uma breve trégua geral (Malestroit, 1343). A maioria dos vinte e cinco cardeais que ele criou eram franceses, e doze deles eram parentes dele. O rei da França recebeu permissão (1344) para comungar em ambos as espécies. Clemente aceitou a dignidade senatorial oferecida a ele como “Cavaleiro Roger” por uma delegação romana, que numerou Petrarca como um de seus membros. Ele também concedeu seu pedido para a celebração de um jubileu a cada cinquenta anos, em vez de a cada cem anos (Bula “Unigenitus”, 1343), mas recusou o convite para retornar a Roma. A permanência maior parecia estar assegurada à residência papal no exterior por sua compra da soberania de Avinhão por 80.000 florins de Joana de Nápoles e Provença (9 de junho de 1348). Na mesma época, ele também declarou essa princesa inocente de cumplicidade no assassinato de seu marido. O sucesso do papa em assuntos romanos é evidenciado por sua confirmação da regra efêmera, mas então inevitável, da Cola di Rienzi (20 de maio a 15 de dezembro de 1347). Sua condenação posterior a essa tribuna arrogante foi amplamente instrumental para provocar sua queda do poder. Logo após esses eventos, o ano jubilar de 1350 trouxe um número extraordinariamente grande de peregrinos à Cidade Eterna. Em sua tentativa de fortalecer o partido Guelfo na Itália, o papa encontrou um fracasso e foi obrigado a ceder a cidade de Bolonha ao arcebispo de Milão por um período de doze anos.

Clemente assumiu com ardor o conflito de longa data entre o imperador Luís, o bávaro, e o papado. O primeiro ofendeu os sentimentos religiosos de muitos de seus adeptos ao anular arbitrariamente o casamento de Marguerite Maultasch, herdeira de Tirol, e João Henrique, príncipe da Boêmia. O descontentamento popular foi ainda mais intensificado quando o imperador autorizou seu próprio filho a casar-se com a mesma princesa. Luís, consequentemente, estava pronto para fazer as maiores concessões ao papa. Em um escrito de setembro de 1343, ele reconheceu sua assunção ilegal do título imperial, declarou sua disposição de anular todos os seus atos imperiais e de se submeter a qualquer penalidade papal, mas ao mesmo tempo desejava ser reconhecido como rei dos romanos. Clemente exigiu como condições adicionais que nenhuma lei fosse promulgada no império sem sanção papal, que a força obrigatória dos decretos reais promulgados por Luís fosse suspensa até a confirmação pela Santa Sé, de que ele deveria depor todos os bispos e abades nomeados por ele mesmo, e renunciar a toda reivindicação à soberania dos Estados Papais, Sicília, Sardenha e Córsega. Luís submeteu as exigências do papa à consideração dos príncipes alemães, numa época em que o sentimento antipapal era muito alto na Alemanha, como resultado da separação do Arcebispado de Praga da província eclesiástica de Mainz (30 de abril de 1344). Os príncipes declararam-nos inaceitáveis, mas também falaram da necessidade de eleger um novo rei no lugar de Luís, cujo governo fora tão desastroso para o império. O papa em 7 de abril de 1346, depôs Henrique de Virneburgo, arcebispo de Mainz e partidário ardente do imperador reinante, nomeou Gerlach, de vinte anos, de Nassau para a sé. Em 13 de abril do mesmo ano, ele lançou uma bula severa contra o imperador, na qual ele pediu aos eleitores que lhe dessem um sucessor. Carlos de Luxemburgo, o candidato do papa e ex-aluno, foi eleito rei da Alemanha (11 de julho de 1346), por seu pai, João da Boêmia, por Rudolf da Saxônia e pelos três eleitores eclesiásticos. Carlos IV (1346-78) aceitou substancialmente as exigências papais, mas sua autoridade não foi imediatamente reconhecida em toda a Alemanha. O país estava à beira da guerra civil, quando Luís, o bávaro, morreu repentinamente enquanto estava em uma caçada de javalis perto de Munique (11 de outubro de 1347). A oposição de Günther de Schwartzenburg (d. 14 de junho de 1349) a Carlos foi de curta duração. Deixado sem protetor, através da morte de Luís, Guilherme de Ockham e os cismaticos Frades Menores agora se submeteram ao papa. Por volta de 1344, Clemente VI concedeu a soberania das Ilhas Canárias ao príncipe castelhano Luís de la Cerda, na condição de que nenhum outro governante cristão tivesse adquirido qualquer direito à sua posse. O novo soberano, a quem foi concedido o título de Príncipe de Fortunia, concordou em introduzir o cristianismo nas ilhas e em pagar tributo à Santa Sé. Ele não pôde, no entanto, tomar posse efetiva do território, que não foi permanentemente convertido neste momento, apesar de um bispo especial (o carmelita Bernardo) ter sido nomeado para as ilhas em 1351. As tentativas do papa de reunir os gregos e armênios com a Igreja Romana não levou a resultados definitivos. O Oriente desejou não tanto um retorno à unidade doutrinal como a assistência contra os turcos. Uma cruzada contra os últimos, que foi realizado em 1344, terminou em uma trégua estéril.

Mais um príncipe temporal do que um governante eclesiástico, Clemente era generoso para a profusão, um patrono das artes e letras, um amante de bom humor, banquetes bem equipados e recepções brilhantes, às quais as damas eram admitidas livremente. As pesadas despesas exigidas por tal pompa logo esgotaram os recursos que a economia de Bento XII havia provido para seu sucessor. Para abrir novas fontes de receita, na ausência da renda ordinária dos Estados da Igreja, novos impostos eram impostos e um número cada vez maior de nomeações para bispados e benefícios era reservado ao papa. Tais procedimentos arbitrários levaram a resistência em vários países. Em 1343, os agentes de dois cardeais, que Clemente nomeara para ofício na Inglaterra, foram expulsos daquele país. Eduardo III se queixou veementemente das exações da corte de Avinhão, e em 1351 foi aprovado o Estatuto dos Provisórios, segundo o qual o rei reservava o direito de apresentações em todos os casos de nomeações papais para os benefícios. A memória deste papa é obscurecida por seu partidarismo francês aberto e pelo nepotismo grosseiro de seu reinado. Clemente VI era, no entanto, um protetor dos oprimidos e um ajudante dos necessitados. Sua coragem e caridade apareceram notavelmente na época da Grande Pestilência, ou Morte Negra, em Avinhão (1348-49). Enquanto em muitos lugares, numerosos judeus foram massacrados pela população como sendo a causa da peste, Clemente emitiu bulas para sua proteção e proporcionou-lhes um refúgio em seu pequeno Estado. Ele canonizou Santo Ivo de Tréguier, Bretanha (d. 1303), o defensor dos órfãos (junho de 1347), condenou os flagelantes e, em 1351, defendeu corajosamente os frades mendicantes contra as acusações de alguns prelados seculares. Vários sermões foram preservados deste papa reconhecidamente erudito e eloquente. Ele morreu depois de uma doença curta e, de acordo com seu desejo, foi enterrado em La Chaise-Dieu. Em 1562 seu túmulo foi profanado e seus restos queimados por alguns huguenotes.


Tradução: http://www.newadvent.org/cathen/04023a.htm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: