A Torá e o Antigo Testamento Ensinam Politéismo?


Tradução: Seidensticker Folly #19: Torah & OT Teach Polytheism? | Dave Armstrong

Em seu artigo, “O Grande Debate: Teísmo vs Naturalismo. Onde a evidência aponta”(11-17-16), Bob pontificou:

A própria Bíblia documenta como as propriedades fundamentais de Deus evoluíram. . . . Deus foi inicialmente parte de um panteão, e só mais tarde conseguimos uma declaração clara de monoteísmo (Isaías 43:10, por exemplo [“. . . Diante de mim nenhum deus foi formado, nem haverá depois de mim ”: RSV]

Ele linka um tratamento completo desta última falsidade que ele procura promulgar sobre o Deus Judaico-Cristão e o Antigo Testamento: “Politeísmo Biblíco” (2-13-13; Rev. 1-6-16). Ele está cheio de auto-ilusão de “confiança” nele. Ele claramente acha que ele acertou um home run. Então desculpe desapontá-lo. . . A ignorância bíblica “triunfa” mais uma vez.

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/bc/Tommaso_Laureti_-_Triumph_of_Christianity_-_WGA12505.jpg

 

O primeiro dos dez mandamentos diz: “Não terás outros deuses diante de mim” (Êxodo 20: 3). (Existem dois conjuntos muito diferentes de Dez Mandamentos em Êxodo, mas vamos ignorar isso por enquanto.) [Sim, Eu refutei essa afirmação ridícula, também, não muito tempo atrás]

Você já pensou muito sobre a redação deste mandamento? Por que não diz que Jeová é o único deus? É porque esta seção da Bíblia foi escrita aproximadamente no século 10 aC, os primeiros dias da religião israelita, quando ainda era politeísta. . . . O próximo mandamento observa: “Eu, Jeová, teu Deus, sou um Deus zeloso” – zeloso, porque de fato havia outras opções viáveis, e Jeová insistiu em um compromisso.

Claro, eu pensei sobre isso. A resposta é simples: as pessoas estavam de fato adorando outros deuses [inexistentes]; o politeísmo era a norma nas culturas que cercavam os antigos israelitas, por isso Deus abordou a questão dessa maneira. É outra maneira de dizer: “Não adore outros deuses”. Nós cristãos conversamos dessa maneira o tempo todo. Poderíamos dizer, por exemplo: “João substituiu Deus em seu coração pelo deus do dinheiro [ou fama, hedonismo, poder, luxúria ou qualquer outro tipo de ídolos]”. Isso é idolatria: colocar qualquer outra coisa no lugar do único Deus verdadeiro; usurpando Sua preeminência sobre tudo. Esse tipo de pensamento será explicado mais à medida que avançamos.

A noção de Deus sendo “ciumento” é claramente antropopatismo: um aspecto muito mal compreendido da Bíblia e a revelação de Deus (condescendente ao entendimento humano) que é virtualmente nunca entendido pelos ateus (nem – infelizmente – por muitos cristãos subeducados, pois isso importa). Uma busca dessa palavra não produziu absolutamente nada em seu volumoso blog. Ele faz, no entanto brevemente alusão ao conceito relacionado de antropomorfismo em um post: colocado apenas cerca de um mês atrás (mostrando o potencial de talvez realmente compreendê-lo em certa medida). No mesmo post, ele opinou: “A Bíblia evoluiu com o tempo. Nos primeiros anos, a religião da Bíblia era politeísta. Yahweh era semelhante aos deuses gregos e romanos. . .

Henoteísmo judaico

Vamos usar o termo adequado para isso, o henoteísmo. Os politeístas reconhecem muitos deuses e adoram muitos deuses, enquanto os henoteístas reconhecem muitos deuses, mas adoram apenas um. Nesta visão, diferentes deuses governavam diferentes territórios, assim como os reis, e as tribos deviam fidelidade a qualquer deus que os protegesse.

Isso é asinino. Sim, os judeus não-observantes que se desviaram e não seguiram a Lei mosaica podem ter feito / acreditado nisso (como uma espécie de idolatria), mas a Bíblia (mesmo os primeiros cinco primeiros livros, ou Torá) claramente não o faz. Ela ensina monoteísmo: um verdadeiro Deus e nenhum outro deus, não importa quantas pessoas possam adorá-los. Eu elaborarei isto enquanto prosseguimos.

O Cântico de Moisés em Deuteronômio 32 é considerado um dos materiais mais antigos da Bíblia – datado de meados do século XIII aC. Temos várias cópias um pouco inconsistentes, sendo a mais antiga dos Manuscritos do Mar Morto:


Quando Elyon dividiu as nações, quando separou os filhos de Adão, estabeleceu as fronteiras das nações de acordo com o número dos filhos dos deuses. A porção de Yahweh era seu povo, [Israel] sua herança atribuída. (Deuteronômio 32: 8–9)


Aqui vemos Elyon, a cabeça do panteão divino, dividindo a humanidade entre seus filhos, dando a cada um sua herança. A idéia de um panteão divino com uma divindade principal, sua consorte e seus filhos (o conselho dos deuses) foi difundida através do Antigo Oriente Próximo.

Os Manuscritos do Mar Morto não são a Bíblia e, portanto, não devem ser discutidos em um debate sobre a mesma. A versão do RSV (que usarei aqui quando cito a Escritura), lê-se:


Deuteronômio 32: 8-9 Quando o Altíssimo deu às nações a sua herança, quando separou os filhos dos homens, fixou os limites dos povos conforme o número dos filhos de Deus. [9] Porque a porção do SENHOR é o seu povo, Jacó, a herança que lhe foi atribuída.


O versículo 9 se refere à noção de “povo escolhido de Deus” (Êx 3: 7, 10; 6: 7; 7: 4; Levítico 26:12; 2 Sam 3:18; muitos mais). Talvez Bob tenha ouvido falar disso? Ou isso não está na Bíblia? Agora, desde que Bob trouxe Deuteronômio 32 e, de fato, afirma ele mesmo que é “um dos materiais mais antigos da Bíblia”, ele pode estar interessado em descobrir outra parte dele que refuta decisivamente sua tola hipótese do “politeísmo bíblico primitivo”:


Deuteronômio 32:39 Vede agora que Eu Sou, e não há outro deus além de mim; Eu mato e faço viver; Eu firo e curaro; e não há quem possa livrar da minha mão.


Esse é um Deus, pessoal: monoteísmo: certo no que Bob admite ser uma parte muito antiga das Escrituras. Sua pretensão já está praticamente destruída, mas eu tenho muito mais e nem comecei! Há mais no mesmo capítulo:


Deuteronômio 32:17, 21 sacrificaram aos demônios que não eram deuses. . . Eles me provocaram ciúmes pelo o que não é deus; eles me provocaram com seus ídolos. . . .


Hã?! Isso reforça o ponto que fiz anteriormente. A Bíblia se refere a outros deuses, mas no sentido de que eles existem em outros sistemas de crença religiosa: não porque existam de fato ou realidade. Este verso prova este tipo de entendimento entre os judeus, em (novamente) uma passagem muito antiga e parte da Torá. Deuteronômio 28:64 refere-se a “outros deuses, de madeira e pedra” (cf. 28:36 e 4:28, que acrescenta, “o trabalho das mãos dos homens”). Obviamente, o texto está dizendo (junto com os notáveis relacionados) que todos esses supostos “deuses” são: madeira e pedra. Eles não têm existência consciente. É uma idolatria clássica: que os judeus foram julgados repetidas vezes durante o período do Antigo Testamento.

A Bíblia condena consistentemente outros reputados deuses como realmente nenhum sendo deus (isto é, meramente imaginários; pedaços de madeira e pedra):


2 Reis 19: 15-19 15 Ora, Ezequias orou ao Senhor e disse: “Ó Senhor, Deus de Israel, que estás entronizado acima dos querubins, tu és o Deus, tu só, de todos os reinos da terra; tu fizeste o céu e a terra. [16] Inclina a tua orelha, ó SENHOR, e ouve; abre os teus olhos, ó SENHOR, e vê; e ouça as palavras de Senaqueribe, que ele enviou para zombar do Deus vivo. [17] Na verdade, ó Senhor, os reis da Assíria devastaram as nações e as suas terras, [18] e lançaram os seus deuses no fogo; porque não eram deuses, mas obra de mãos de homens, madeira e pedra; portanto eles foram destruídos. [19] Agora, pois, ó Senhor nosso Deus, livra-nos da mão das tuas mãos; para que todos os reinos da terra saibam que só tu, Senhor, és o único Deus. ”(Cf. Is 37, 19; 45:20)

2 Crônicas 13: 9. . . Quem quer que se consagre com um novilho ou sete carneiros torna-se sacerdote daquilo que não são deuses.

Jeremias 2:11 Uma nação já mudou de deuses, apesar de não serem deuses? . . .

Jeremias 5: 7. . . Os vossos filhos me abandonaram e juraram por aqueles que não são deuses. . . . (cf. 10:14)

Jeremias 16:20 Pode o homem fazer para si mesmo deuses? Tais não são deuses! (cf. 51:17)

1 Coríntios 8: 4-6 Assim, quanto ao consumo de alimentos oferecidos a ídolos, sabemos que “um ídolo não tem existência real” e que “não há outro Deus senão um só”. [5] Pois embora possa haver os chamados deuses no céu ou na terra – como de fato existem muitos “deuses” e muitos “senhores” – [6] ainda para nós há um Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem nós existimos, e um Senhor, Jesus Cristo, através de quem são todas as coisas e através de quem nós existimos.

Gálatas 4: 8 Antigamente, quando vocês não conheciam a Deus, estavam em escravidão com os seres que, por natureza, não são deuses;


O Antigo Testamento é cheio de pistas que apontam para vários deuses. Gênesis é um bom lugar para começar. Então [Elohim] disse: “Façamos a humanidade à nossa imagem, à nossa semelhança” (Gênesis 1:26).

Também vemos deuses plurais quando Jeová os adverte que o homem não deve comer a árvore da vida (Gn 3:22). . .

[Gênesis 3:22 Então o Senhor Deus disse: “Eis que o homem se tornou semelhante entre nós, conhecendo o bem e o mal; e agora, para que não estenda a mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente ”-]

O quase magistral comentário Keil & Delitzsch sobre o Antigo Testamento afirma em Gênesis 1:22:



Portanto, não resta outra explicação senão considerá-lo como pluralis majestatis, – uma interpretação que compreende na sua forma mais profunda e mais intensa (Deus falando de si mesmo e consigo mesmo no plural, não reverentiae causa, mas com referência a plenitude dos poderes divinos e essências que Ele possui). . .


Enciclopédia da Língua e Lingüística Hebraica explica pluralis majestatis:


O termo ‘plural majestático’ ou pluralis majestatis refere-se ao uso de uma palavra plural para se referir honorificamente a uma única pessoa ou entidade. É também chamado de “plural de respeito”, “plural honorífico”, “plural de excelência” ou “plural de intensidade”. Na Bíblia hebraica, essas formas plurais são mais comumente usadas quando se refere ao Deus de Israel, por exemplo, אֲדוֹנִ֣ים אָנִי֩ ʾăḏōnīm ʾå̄nī ‘Eu sou um mestre (lit.’ mestres ‘)’ (Mal. 1.6), embora também possa ser usado quando se refere a um humano, por exemplo, אַבְרָהָ֖ם אֲדֹנָ֑יו ʾaḇrå̄hå̄m ʾăḏōnå̄w ‘Abraão, seu mestre (lit.’ mestres ‘)’. . . [Gênesis 24]


Wikipedia, “Royal we” (o equivalente em inglês) explica ainda:


O Royal We, ou plural majestoso (pluralis maiestatis), é o uso de um pronome plural (ou formas verbais flexionadas plurais correspondentes) para se referir a uma única pessoa que é um monarca. A palavra mais geral para o uso de um we, us ou our para nos referirmos a nós mesmos é o nosismo. . . .

É comumente empregado por uma pessoa de alto cargo, como monarca, conde ou papa. É também usado em certos contextos formais por bispos e reitores de universidades. William Longchamp é creditado com a sua introdução à Inglaterra no final do século 12, seguindo a prática da Chancelaria dos Breves Apostólicos.


Um artigo judaico, “Os Plurais de Gênesis”, de Paul Sumner, tem uma visão diferente: “Historicamente, a maioria dos comentaristas judeus disse que o Criador está falando aqui aos anjos da assembléia celestial, sua corte divina”. De qualquer maneira, uma razoável interpretação não politeísta é possível e plausível.

Bob antecipa a interpretação angélica e responde da seguinte forma: “Porque imaginar uma assembléia angélica quando a interpretação politeísta de Gênesis simplesmente crescendo a partir da cultura cananéia precedente está disponível e é plausível?”

Bem, é porque essa interpretação já foi tirada da água pelos argumentos acima. Deuteronômio 32: acreditado por Bob como “um dos materiais mais antigos da Bíblia”, renuncia expressamente ao politeísmo e afirma o monoteísmo (32:17, 39; cf. 4:28; 28:36, 64).

Salmos é outro livro antigo que fossilizou as primeiras formas do judaísmo. Nós vemos a assembléia dos deuses mencionadas várias vezes.


[Elohim] está na assembléia de El; no meio dos deuses ele faz julgamento (Salmo 82: 1). . . .

E muitos outros versos celebram a Jeová, embora reconheçam a existência dos outros.

Porque [Jeová] é o grande Deus e o grande Rei acima de todos os deuses (Sl 95: 3).

Todos os deuses se prostram diante de Jeová (Sl 97: 7).

Eu sei que [Jeová] é grande e nosso Senhor é superior a todos os deuses. (Sl 135: 5)


Tudo isso já foi explicado também. É simplesmente uma maneira de falar (mais poética). A linha de fundo, em qualquer caso, é que existe apenas um Deus verdadeiro, e outros “deuses” reputados “não são deuses”, como vimos acima: afirmado repetidamente na Bíblia. Os Salmos incluem esse entendimento também (assim não são politeístas nem henoteístas, como afirma Bob):



Salmo 40: 4. . . aqueles que se desviam por falsos deuses!

Salmo 83:18 Que eles saibam que só tu, cujo nome é o Senhor, és o Altíssimo sobre toda a terra.

Salmo 86:10 Pois tu és grande e fazes maravilhas, só tu és Deus.

Salmo 89: 6 Pois quem nos céus pode ser comparado ao SENHOR? Quem entre os seres celestiais é como o SENHOR?

Salmos 96: 5 Porque todos os deuses dos povos são ídolos; mas o SENHOR fez os céus. (cf. 97: 7; 115: 4; 135: 15)


Em um post recente, vimos onde a Bíblia documenta como Yahweh perdeu uma briga com o deus moabita Quemós (2 Reis 3:27).

Absurdo. Eu já refutei essa ”exegese” na parte 12 desta série.

Deuteronômio [aparentemente excetuando a porção do cântico de Moisés / capítulo 32 : de acordo com Bob] foi escrito após a conquista de Israel e antes da conquista de Judá, no século 7 aC. A filosofia passou agora do henoteísmo para a monolatria. Como o henoteísmo, muitos deuses são aceitos e apenas um é adorado, mas agora a adoração de outros deuses é proibida.

Hogwash. Os outros “deuses” de outras culturas nunca foram aceitos – nunca permitiram ser adorados na lei mosaica – e foram renunciados como inexistentes, como eu já mostrei em Deuteronômio 4:28 e 28:36, 64. Além disso, Êxodo e Deuteronômio claramente ensina um monoteísmo exclusivo:


Êxodo 8:10. . . Não há ninguém como o Senhor nosso Deus. (cf. 1 Cr 17.20; 2 Cr 6.14)

Deuteronômio 4:35 39 Foi-te mostrado a ti que sabes que o SENHOR é Deus; não há outro além dele. . . . [39]. . . o SENHOR é Deus no céu e embaixo na terra; não há outro. (cf. Ne 9: 6; 2 Sam 7:22; 1 Rs 8:23; Is 43:10; 44: 6, 8; 45: 5-6, 14, 18, 21-22; 46: 9; 47 : 8; Os 13: 4)

Deuteronômio 6: 4: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único SENHOR.


Segundo Isaías (a segunda parte de Isaías) foi escrito mais tarde, perto do fim do exílio babilônico. Aqui encontramos a transição para o monoteísmo é completa.

O monoteísmo e a proibição de adorar outros “deuses” imaginários já estavam em vigor na Torá, como mostrado acima e abaixo.

A própria idéia de um ídolo é ridicularizada em Isaías 44: 9–20. Pode um homem cozinhar sua refeição em fogo feito da metade da árvore que ele usou para esculpir seu ídolo e imaginar que um ídolo de origem tão não refinada é realmente um deus?

O que explica essa migração para o monoteísmo? Um fator importante foi o exílio babilônico.

Não houve “migração” porque a zombaria dos deuses falsos e inexistentes e dos ídolos materiais que os representam já estava presente em Gênesis, Êxodo, Levítico e Deuteronômio:



Gênesis 31:19. . . Raquel roubou os deuses domésticos de seu pai.

Gênesis 35: 2, 4 Então Jacó disse à sua família e a todos os que estavam com ele: “Afaste os deuses estrangeiros que estão no meio de você, purifique-se e mude suas vestes; . . . [4] Então eles deram a Jacó todos os deuses estrangeiros que eles tinham, e os anéis que estavam em suas orelhas; e Jacó os escondeu debaixo do carvalho que estava perto de Siquém.

Êxodo 20:23 Não farás com que os deuses de prata estejam comigo, nem faças para vós deuses de ouro.

Levítico 19: 4 Não recorram a ídolos nem façam para vós deuses de fundição: Eu sou o Senhor vosso Deus.

Deuterorônomio 4: 27-28 27 E o Senhor vos espalhará entre os povos, e ficareis poucos em número entre as nações para as quais o Senhor vos conduzirá. [28] E ali servirás a deuses de madeira e pedra, obra das mãos dos homens, que não vêem, nem ouvem, nem comem nem cheiram. (cf. 29:17; 1 Cr 16:26; Is 2: 8, 20; 31: 7; 37:19; 44:10, 15, 17; 46: 6; Jer 1:16)


O exílio babilônico (depois de 586 aC) ocorreu após a datação de Deuteronômio de Bob (sétimo aC). Portanto, dificilmente pode ter causado essa suposta “migração” ou evolução para o verdadeiro monoteísmo.

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: