Os Católicos Acreditam em Predestinação? Sim! Mas…

Tradução: Do Catholics Believe in Predestination? Yes! But . . . | Dave Armstrong

https://i.pinimg.com/originals/4e/5b/c2/4e5bc2daf2701467c06b7692ef152d23.jpg


SALVAÇÃO


Católicos não acreditam em predestinação
***
Os católicos pensam que o livre arbítrio do homem é o determinante final da salvação


Resposta inicial


 

A Igreja Católica acredita na predestinação dos eleitos ou daqueles que são salvos; só nega que Deus predestine alguém para o inferno desde a eternidade, sem qualquer consideração de suas próprias decisões de livre arbítrio.


Resposta extensa


É uma percepção errônea comum que a Igreja Católica de alguma forma nega a soberania de Deus sobre Sua criação e Sua providência, ou controle final sobre todas as coisas, incluindo quem é salvo e quem está perdido. Muito do mal-entendido vem da noção de que se qualquer livre-arbítrio é permitido no homem (mesmo no sentido de cooperar com a graça de Deus) isso tira a soberania de Deus. Mas os católicos sustentam que a Bíblia ensina uma posição paradoxal de Deus estar no controle, enquanto o homem trabalha junto com ele. De uma maneira misteriosa, Suas obras ou decretos (inteiramente causados e capacitados por Ele) são feitos por nós mesmos, através da cooperação (Marcos 16:20; Atos 13: 1-4; 1Co 3: 8-9, 12: 6 2 Co 6: 1; Fp 2: 12-13. Uma das declarações dogmáticas mais claras da Igreja sobre esta questão foi feita no Concílio de Quiersy em 853:


Redenção e Graça

Cap. 1. Deus onipotente criou o homem nobre sem pecado com livre arbítrio, e cuja a quem Ele desejou que permanecesse na santidade da justiça, Ele colocou no Paraíso. O homem usando seu livre arbítrio pecou e caiu, e se tornou a “massa de perdição” de toda a raça humana. O justo e bom Deus, contudo, escolheu da mesma massa de perdição segundo a Sua presciência aqueles a quem pela graça Ele predestinou para a vida [Rom. 8:29 e segs .; Ef. 1:11], e Ele predestinou para essa vida eterna; os outros, que pelo julgamento da justiça ele deixou na massa de perdição, no entanto, Ele sabia que pereceriam, mas Ele não predestinou que eles pereceriam, porque Ele é justo; no entanto, Ele predestinou o castigo eterno para eles. E por conta disso falamos de apenas uma predestinação de Deus, que pertence tanto ao dom da graça quanto à retribuição da justiça.

Cap. 2. A liberdade de vontade que nós perdemos no primeiro homem, nós recebemos de volta através de Cristo, nosso Senhor; e temos livre arbítrio para o bem, precedidos e auxiliados pela graça, e temos livre arbítrio para o mal, abandonados pela graça. Além disso, porque libertos pela graça e pela graça, curados da corrupção, temos livre-arbítrio. (em Henry Denzinger, As Fontes do Dogma Católico [Enchiridion Symbolorum], 13ª edição, traduzido por Roy J. Deferarri, 1955, nº 316-317, pp. 126-127)

A dupla predestinação foi rejeitada pelo Concílio de Trento (1545-1563):

Se alguém disser que não está no poder do homem tornar seus caminhos malignos, mas que Deus produz tanto o mal quanto as boas obras, não apenas com permissão, mas também de maneira própria e de Si mesmo, de modo que a traição de Judas não é menos seu próprio trabalho do que a vocação de Paulo: seja anátema. (em Denzinger, ibid., cânones em justificação: Canon 6, # 816, p. 258)


A concepção católica da providência divina é brevemente delineada nesta declaração do Catecismo da Igreja Católica (nº 321):


A providência divina consiste nas disposições pelas quais Deus guia todas as suas criaturas com sabedoria e amor até o seu objetivo final.


Objeção


Mas, ao permitir o livre-arbítrio nesse sentido, não significa que a criatura tenha a decisão final em vez de Deus, de modo que Deus não seja mais soberano?


Resposta à objeção


Isso não acontece, mesmo se a decisão de aceitar a graça de Deus é causada pela mesma graça, como os católicos acreditam (Trento: cânones sobre a justificação). Mas a alternativa horrível é a predestinação para o inferno a partir da eternidade, como na teologia de João Calvino:


seu próprio mérito. . . .

aqueles, então, a quem ele criou para a desonra na vida e destruição na morte. .

. . . . seu decreto imutável de uma vez por todas os destinou à destruição. (Institutes of the Christian Religion, editado por John T. McNeill, traduzido por Ford Lewis Battles, Filadélfia: The Westminster Press, 1960, III, 23, 2; Vol. 2, 949; III, 24, 12, Vol. 2, 978; III, 24, 14, Vol. 2, 981; cf. III, 22, 11; III, 23, 1,4-5)


São Tomás de Aquino (1225-1274)


A causalidade da reprovação é diferente da predestinação. Pois a predestinação é a causa tanto do que é esperado no futuro, a saber, a glória, e do que é recebido no presente, a saber, a graça. Considerando que a reprovação não é a causa da falta presente, mas do resultado futuro, a saber, de ser abandonado por Deus. A culpa nasce do livre arbítrio da pessoa que deserta da graça. (Summa Theologica, I, 23, 4)


 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: