Desenvolvimento Primitivo do Papado: Reflexões Aleatórias

Tradução: Early Development of the Papacy: Random Reflections | Dave Armstrong

el-greco-apostle-st-peter.jpg


Por que estabelecer um ofício (Pedro, na verdade, foi feito primeiro ministro da Igreja por Jesus, como a exegese das “chaves do reino” estabelece, com muito apoio exegético protestante), apenas para cessar com a morte de Pedro? Isso não faz sentido. A própria natureza de um ofício deve ser carregada; ter uma sucessão. Não se inicia um negócio, por exemplo, com um presidente, e depois que o primeiro presidente morre, o ofício deixa de existir e todos estão sozinhos. Seu antigo ofício é deixado às traças. . .

Dizem que “a Bíblia não menciona os bispos romanos”. E daí? Também não menciona o cânone ou a sola Scriptura. Mas certamente menciona bispos e menciona igrejas distintas. Não é preciso um cientista de foguetes para colocar dois e dois juntos.

O caso do papado é um argumento cumulativo. Como tal, mostrando que o consenso hoje é que Pedro era a Rocha é um aspecto disso. Não é toda uma bola de cera. Também mostramos o que significava ter as chaves do reino, etc. Apoiamos nossas posições uma a uma e concluímos que as evidências são fortes. É irrelevante se os estudiosos citaram aceitar o papado ou não. Se em alguma coisa, eles são importantes como “testemunhas” para o nosso “caso” bíblico precisamente porque eles são, em última instância, testemunhas “hostis”, que não podem ser acusadas de preconceito católico.

As principais coisas, de longe, foram as palavras de Jesus para Pedro. É aí que toda a noção se originou. Não veio do nada, ou “fantasias românticas vãs e pensamentos positivos”. E esse é um ótimo lugar para começar (com nosso Senhor e Salvador Jesus). Uma vez admitido que Pedro era o líder dos apóstolos, isso é perfeitamente consistente com nosso argumento de que isso é uma indicação de que ele seria o líder da Igreja Universal.

É significativo que Pedro, como indivíduo, tenha recebido o poder de ligar e desligar, enquanto os outros discípulos o receberam corporativamente. Para mim isso significa uma liderança ou preeminência. Essa é a mentalidade hebraica e bíblica. Ele também recebe as chaves do reino, que não pode ser sem grande importância. E ninguém mais é chamado a Rocha, sobre a qual Jesus constrói Sua Igreja. Não há como sair dessa singularidade. Concordamos que os outros ligam e desligam também (eles até “desligam” o papa do pecado, pois ele regularmente confessa seus pecados a outro sacerdote). Bispos e sacerdotes também receberam prerrogativas de Deus.

A negação de Cristo a Pedro não prova mais que ele não era papa, que o pecado de Davi com Batsabá e o assassinato de seu marido provaram que ele não era rei, ou o sujeito de um pacto com Deus, ou o escritor da maioria dos Salmos. Paulo matou os cristãos antes que Deus o derrubasse do seu cavalo alto. O que o fato de uma pessoa pecar tem a ver com alguma coisa? Não é isso que o cristianismo é sobre? Para redimir os pecadores? Se os pecadores podem escrever uma Bíblia inspirada, inerrante e infalível, eles certamente podem ser usados como papas infalíveis também.

O desenvolvimento do papado levou um pouco de tempo, assim como o cânon e o trinitarianismo e a mariologia. Somente a fé e a justificação forense imputada levaram muito tempo também, não é? Os estudiosos protestantes Norman Geisler e Alister McGrath admitem essencialmente que tais doutrinas estavam ausentes da Igreja Cristã entre o tempo de Paulo e Lutero (o mesmo é certamente verdade de uma Eucaristia e batismo simbólicos, e muitas outras novas doutrinas Protestantes). 1500 anos para que um dos pilares do protestantismo seja entendido como o ensinamento “simples” nas Escrituras que se afirma ser? Isso leva uma surra de um pleno entendimento e desenvolvimento do papado por uns bons 900 anos (se datarmos o papado plenamente desenvolvido no reinado do Papa Gregório Magno (590-604).

Afirma-se que Santo Agostinho tinha uma visão fraca do papado na melhor das hipóteses. A evidência de suas próprias palavras contradiz isso:


Se a própria ordem da sucessão episcopal deve ser considerada, com muito mais certeza, verdade e segurança, nós os numeramos do próprio Pedro, a quem, quanto a um que representa toda a Igreja, o Senhor disse: Sobre esta rocha edificarei Minha Igreja e as portas do inferno não a vencerão. Pedro foi sucedido por Lino, Lino por Clemente, Clemente por Anacleto, Anacleto por Evaristo. . . (Carta a Generusus, 53, 1, 2 [c. 400]) A sucessão de sacerdotes, desde a própria Sé do Apóstolo Pedro, a quem nosso Senhor, após a sua ressurreição, deu a tarefa de alimentar as suas ovelhas, até o presente episcopado, me mantém aqui [na Igreja Católica]. (Contra a Carta de Mani Chamada à Fundação, 4,5 [escrito em 397])


O historiador protestante J. N. D. Kelly afirma:


[Agostinho] . . Considerava São Pedro como o representante ou símbolo da unidade da Igreja e do colégio apostólico, e também como o apóstolo a quem a primazia foi concedida (mesmo assim, ele era um tipo da Igreja como um todo). Esta é a Igreja Romana, a sede de São Pedro, “a quem o Senhor depois da sua ressurreição confiou a alimentação de Suas ovelhas” [C. ep. fundo. 5], foi para ele a igreja “na qual a primazia (‘principatus’) da cátedra apostólica floresceu” [Ep. 43,7]. As três cartas [Epp. 175-177], relativas ao Pelagianismo, que a igreja africana enviou a Inocêncio I em 416, e de que Agostinho era articulador, sugeriu que ele atribuísse ao papa uma autoridade pastoral e de ensino que se estendia a toda a Igreja, e encontrou uma base para isso na Escritura. Ao mesmo tempo, não há provas de que ele estivesse preparado para atribuir ao bispo de Roma, na qualidade de sucessor de São Pedro, um magistério doutrinal soberano e infalível. (Early Christian Doutrines, São Francisco: HarperCollins, edição revisada, 1978, 419)


Isso está perfeitamente de acordo com o que esperaríamos naquele tempo, nesse período de desenvolvimento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: