O Martírio dos Santos Mártires Justino, Caritão, Carites, Peônio e Liberiano, que sofreram em Roma

justin-martyr.jpg


 

CAPÍTULO. I. – EXAME DE JUSTINO PELO PREFEITO.

No tempo dos partidários da idolatria sem lei, foram decretados decretos iníquos contra os piedosos cristãos na cidade e no campo, para forçá-los a oferecer libações a ídolos vãos; e consequentemente os homens santos, tendo sido apreendidos, foram levados perante o prefeito de Roma, Rústico por nome. E quando eles foram trazidos diante de seu tribunal, Rústico, o prefeito, disse a Justino: “Obedeça aos deuses imediatamente, e submeta-se aos reis”. Justino disse: “Obedecer aos mandamentos de nosso Salvador Jesus Cristo não é digno de culpa nem de condenação”. Rústico, o prefeito, disse: “Que tipo de doutrina você professa?” Justino disse: “Eu me esforcei para aprender todas as doutrinas, mas finalmente concordei nas doutrinas verdadeiras, isto é, sobre os cristãos, mesmo que eles não agradem aqueles que têm opiniões falsas.” Rústico, o prefeito, disse: “São essas as doutrinas que agradam a você, você é um homem totalmente desgraçado?” Justino disse: “Sim, desde que eu adira a elas como o dogma certo.” Rústico, o prefeito, disse: “Qual é o dogma?” Justino disse: “Aquele segundo o qual adoramos o Deus dos cristãos, a quem consideramos ser Um desde o princípio, o criador e formador de toda a criação, visível e invisível; e o Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, que também havia sido pregados de antemão pelos profetas como prestes a estar presentes com a raça dos homens, o arauto da salvação e professor de bons discípulos. E eu, sendo um homem, acho que o que eu posso dizer é insignificante em comparação com a sua ilimitada divindade, reconhecendo um certo poder profético, uma vez que foi profetizado a respeito dAquele de quem agora eu digo que Ele é o Filho de Deus. Porque eu sei que antigamente os profetas predisseram Sua aparência entre os homens “.

CAPÍTULO. II. EXAME DE JUSTÍNO (CONTINUAÇÃO)

Rustíco, o prefeito, disse: “Onde vocês sê reúnem?” Justíno disse: “Onde cada um escolhe e pode: pois você imagina que todos nós nos encontramos no mesmo lugar? Não é assim, porque o Deus dos cristãos não é circunscrito por lugar; mas sendo invisível, preenche o céu e a terra, e em todo lugar é adorado e glorificado pelos fiéis “. Rustíco, o prefeito, disse: “Diga-me onde vocês se reúnem ou em que lugar você coleciona seus seguidores?” Justíno disse: “Eu vivo acima de um Martino, no Banho Timiotiniano; e durante todo o tempo (e agora estou morando em Roma pela segunda vez) não tenho conhecimento de nenhum outro encontro além do dele. E se alguém quisesse vir para mim, eu comumicaria a ele as doutrinas da verdade “. Rústico disse: “Você não é, então, um cristão?” Justíno disse: “Sim, eu sou cristão”.

CAPÍTULO. III. – EXAME DE CARITÃO E OUTROS.

Então disse o prefeito Rústico a Caritão: “Diga-me mais, Caritão, você também é cristão?” Caritão disse: “Eu sou cristão pelo mandamento de Deus”. Rustíco, o prefeito, perguntou à mulher Carites: “O que você diz, Carites?” Carites disse: “Eu sou cristã pela graça de Deus”. Rústico disse a Euelpistos: “E o que você é?” Euelpistos, um servo de César, respondeu: “Eu também sou cristão, tendo sido libertado por Cristo; e pela graça de Cristo participo da mesma esperança”. Rústico, o prefeito, disse a Hierax: “E você, você é cristão?” Hierax disse: “Sim, eu sou cristão, porque eu reverencio e adoro o mesmo Deus”. Rústico, o prefeito, disse: “Justíno fez de você cristão?” Hierax disse: “Eu era cristão e seria cristão”. E
Peônio se levantou e disse: “Eu também sou cristão”. Rústico o prefeito disse: “Quem te ensinou?” Peônio disse: “De nossos pais recebemos essa boa confissão”. Euelpistos disse: “Eu ouvi de bom grado as palavras de Justíno. Mas dos meus pais também aprendi a ser cristão”. Rústico, o prefeito, disse: “Onde estão seus pais?” Euelpistos disse: “Na Capadócia”. Rústico disse a Hierax: “Onde estão seus pais?” E ele respondeu e disse:”Cristo é o nosso verdadeiro pai, e a fé Nele é nossa mãe; e meus pais terrestres morreram; e eu, quando fui expulso de Icônio na Frígia, vim para cá”. Rústico, o prefeito, disse a Liberiano: “E o que você diz? Você é cristão e não quer adorar [os deuses]?” Liberiano disse: “Eu também sou cristão, porque adoro e reverencio o único Deus verdadeiro”.
CAPÍTULO. IV. — RÚSTICO AMEAÇA OS CRISTÃOS COM MORTE.

O prefeito disse a Justino: “Ouça, você, que é chamado de instruído, e pensa que conhece as doutrinas verdadeiras; se você for açoitado e decapitado, acredita que subirá ao céu?” Justíno disse: “Espero que, se eu suportar estas coisas, eu tenha os Seus dons. Pois eu sei que, para todos os que assim viveram, permanece o favor divino até a conclusão de todo o mundo”. Rústico, o prefeito, disse: “Você supõe, então, que subirá ao céu para receber alguma recompensa?” Justíno disse: “Eu não suponho, mas eu sei e estou totalmente convencido disso.” Rústico, o prefeito, disse: “Vamos, então, agora chegar ao assunto em questão, e que pressiona. Tendo se reunido, ofereça sacrifício em comum aos deuses”. Justíno disse: “Nenhuma pessoa de pensamento correto cai da piedade para a impiedade”. Rústico, o prefeito, disse: “A menos que se obedeça, serás impiedosamente castigado”. Justíno disse: “Por meio da oração, podemos ser salvos por causa de nosso Senhor Jesus Cristo, mesmo quando somos punidos, porque isso se tornará para nós salvação e confiança no mais temeroso e universal tribunal de nosso Senhor e Salvador.” Assim também disseram os outros mártires: “Façam o que quiserem, pois somos cristãos e não sacrificaremos a ídolos”.

CAPÍTULO. V. – SENTENÇA PRONUNCIADA E EXECUTADA.

Rústico, o prefeito pronunciando a sentença, disse: “Que aqueles que se recusarem a sacrificar aos deuses e ceder ao comando do imperador sejam flagelados, e levados para sofrer a punição da decapitação, de acordo com as leis.” Os santos mártires, tendo glorificado a Deus e tendo ido ao lugar habitado, foram decapitados e aperfeiçoaram seu testemunho na confissão do Salvador. E alguns dos fiéis, tendo secretamente removido seus corpos, colocaram-nos em um lugar adequado, a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, tendo habitado com eles, a quem seja dada a glória para todo o sempre. Amém.


Extraído de “Os Padres da Igreja Primitiva e Outras Obras” originalmente publicado por Wm. B. Eerdmans Pub. Co. em inglês em Edimburgo, na Escócia, a partir de 1867. (ANF 1, Roberts e Donaldson.) A versão digital é da The Electronic Bible Society, P.O. Caixa 701356, Dallas, TX 75370, 214-407-WORD.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: